Stopando Ruidos

Há diferenças entre as modalidades de swing trade e day trade. Já falei em inúmeras ocasiões, até em artigos na Revista Grafistas. Sem levar em consideração esses aspectos, o trader pode incorrer em inúmeros erros.

Os preços formam dinâmicas diferentes no curto, médio e longo prazo. Charles Dow já preceitua sobre as tendências primária, secundária e terciária. Uma tendência de alta num prazo menor pode ser um movimento de correção no maior.

Se você não monitorar as médias móveis, suportes e resistências e os canais de todas as tendências, pode ficar comprado numa correção da tendência de baixa, e quando os preços caírem, ficará esperando voltar a subir, sem sucesso.

A mídia financeira olha somente para o curto prazo. Eles arrumam desculpas para qualquer movimento da bolsa. Eles só não sabem as reais forças que movem o mercado. Mas palpitar sobre as possibilidades eles fazem com maestria.

Eu te desafio a fazer um teste. Fique uma semana sem ler notícias. Olhe somente os gráficos e veja como o burburinho jornalístico é irrelevante. Dow também já dizia que os preços descontam tudo.

As operações de swing trade exigem stops mais longos, pois você precisa “dar espaço” para os preços oscilarem dentro do canal. Se colocar stops muito curtos, pode tomar as chamadas “violinadas”.

O day trade também exige stops nos locais certos. Mas, obviamente, são muito mais curtos que os stops de swing trade. O day trade te possibilita seguir o fluxo do dia. O swing trade pode mudar da noite para o dia.

Porque no prazo de alguns dias uma notícia pode fazer os preços caírem. Enquanto que ao longo de um dia, pode não haver notícias ruins sobre a empresa.

O day trade exige maior maestria em operacionalidade, enquanto o swing trade exige mais estratégia, porque o operacional não exige uma dinâmica rápida de movimento.

Cada modalidade possui características próprias. Por isso o trader precisa conhecê-las para avaliar qual se encaixa em seu perfil e te possibilitará sucesso no longo prazo.

Renan Antunes