Abraçando o impossível

Existem áreas da ciência que são muito avançadas, enquanto outras ainda se encontram em estágios mais atrasados, sem os cientistas se darem conta do potencial que poderiam ter se houvesse mais investimentos e pesquisas.

Uma das coisas que já poderíamos conseguir, na minha opinião, é a capacidade de controlar o clima. Isso mesmo: pelo nível tecnológico de muitas áreas, era para estarmos controlando chuvas.

Isso iria resolver inúmeros problemas. Acabaríamos com a seca no nordeste, com enchentes como as que estamos vendo na Bahia, não teríamos os níveis dos reservatórios tão baixos e nem problemas agrícolas.

Meu cientista favorito, que por diversas vezes consulto sua biografia, é Nikola Tesla. Para mim, ele foi o maior gênio que já existiu. Ele projetou um sistema de transmissão de energia sem fio há cem anos atrás.

Até hoje os cientistas não conseguiram replicar esse feito. Tesla também tinha outros projetos como uma espécie de espaçonave, que não precisaria de foguetes mas utilizaria uma tecnologia que ele argumentava ter desenvolvido.

Alguns projetos de Tesla podem ter sido apenas sonhos. Mas precisamos de cientistas com a mesma capacidade de sonhar, de desbravar o que hoje parece impossível. Olhe para o passado e veja quantas coisas impossíveis não foram feitas.

A tecnologia surge primeiramente na mente dos visionários. Elon Musk quer levar o homem a Marte. Isso por si só vai empurrar a inovação em muitas áreas. Se formos capazes de plantar em Marte, seremos capazes de plantar no deserto do Saara.

Se não houver inovação não haverá progresso. Não adianta ficarmos investindo nosso dinheiro em empresas centenárias se o futuro exige que novas companhias surjam explorando os limites da ciência.

As empresas multibilionárias de amanhã não estão pagando dividendos hoje. Elas precisam investir cada centavo em novos projetos. O avanço está nas mãos de visionários como Elon Musk que apostam tudo sem olhar para trás.

Que em 2022 possamos despertar nossas consciências sobre a necessidade de abraçarmos o impossível para que tenhamos um futuro melhor.

Renan Antunes